Alimentos Orgânicos são de fato mais caros? - Rancho Orgânico

Blog

Alimentos Orgânicos são de fato mais caros?

Alimentos orgânicos são de fato mais caros?

Essa pergunta já deve ter surgido em alguma roda de conversa com amigos quando o assunto sobre sustentabilidade e alimentação consciente e orgânica está em pauta.

Alguns preferem falar do valor dos produtos orgânicos, em vez de falar do preço. Mas, na prática, os consumidores se importam, e muito, com o preço, e é preciso enfrentar essa questão.

Há vários motivos para o orgânico ser mais caro que o convencional. Um deles é a baixa escala de produção: quanto maior a quantidade produzida, menor o custo unitário. Isto é matemático. Para ter lucro, o produto – seja orgânico ou convencional – tem que apresentar margem de contribuição (receita líquida menos custos variáveis) que pague os custos variáveis, os custos fixos, as despesas (de administração, de vendas, financeiras e outras), e ainda garanta lucro para o agricultor.

Para se ter a certificação e o selo Orgânico o é preciso seguir uma série de critérios ambientais e sociais, o produtor orgânico tem que se comprometer com a preservação do meio ambiente e com a qualidade de vida de seus empregados, oferecendo condições de moradia dignas e mantendo seus filhos matriculados na escola, por exemplo. Além disso, todo o processo para se obter o selo Orgânico é exorbitantemente caro, ainda mais para realidade de pequenos produtores, e uma vez feito, esse custo será recuperado no valor de comercialização dos produtos. Produtores convencionais não precisam de nada disso.

Pensando sobre a diferença de preço entre alimentos orgânicos e convencionais, grupos e institutos de consumo como o Instituo Kairós e a ONG Terra Mater realizaram a seguinte pesquisa: “Alimentos sem veneno são sempre mais caros?”.

O trabalho foi executado de forma colaborativa e voluntária. Foi realizado um levantamento de preços de produtos convencionais e orgânicos em supermercados, feiras orgânicas e grupos de consumo responsável (consumidores que se juntam para fazer compras coletivas diretamente do produtor) por um ano em 5 cidades do país.  A conclusão da pesquisa é de que a diferença de preço depende muito do canal de comercialização. Confira a pesquisa aqui:

Nossas lavouras consomem um milhão de toneladas de agrotóxico por ano, uma média de 5,2 kg de agrotóxico por habitante. Enquanto isso, a Dinamarca se prepara para transformar 100% de sua agricultura em orgânica com metas realistas: a primeira fase acontece até 2020, quando a quantidade de terras com plantações orgânicas deve ser o dobro da quantidade atual.

Por aqui no Brasil os incentivos governamentais só chegam para os produtores que usam agrotóxicos (isenção de IPI e redução de 60% do ICMS). Os produtores de orgânicos não têm nenhum desses benefícios.

Se alimentos vegetais orgânicos são mais caros nos supermercados, deveríamos questionar por que os convencionais e os ultra-processados são tão baratos! Além dos incentivos fiscais já citados, esses produtos não consideram fatores externos como, por exemplo, os danos a saúde dos trabalhadores rurais. Isso quer dizer que o impacto social e ambiental dessa produção não se reflete no preço. A conta é deixada para nós pagarmos, em forma de impostos para remediar os danos causados por este modelo. A escolha entre um e outro pode ser uma escolha política, onde o consumidor decide qual modelo de produção e de negócio prefere financiar.

Atualmente, no mercado de orgânicos brasileiro, a grande maioria dos produtos apresenta boa margem de contribuição, mas a quantidade vendida não tem sido suficiente para cobrir custos fixos e despesas, e ainda sobrar algum dinheiro para reinvestir na produção e viver dignamente.

Então, por que não se produz e se vende maior quantidade de orgânicos? Há também vários motivos.

A demanda, embora esteja crescendo, ainda é pequena. A baixa renda da maioria da população brasileira leva o consumidor a comparar preços, e aí se cria um círculo vicioso para o produto orgânico: preço mais caro, poucas compras, pouca produção, preço unitário maior, e o círculo se fecha.

Vegetais orgânicos, muitas vezes, também têm produtividade menor que a dos convencionais. Entretanto, sucessivas análises da Anvisa mostram contaminações bem acima do permitido ou ainda, usando produtos proibidos, com alto índice de toxicidade para seres humanos e para o meio ambiente em alface, banana, pimentão e cenoura convencionais, e nem precisamos falar do morango, entre tantos outros.

Menor produtividade aumenta o custo unitário do produto. Mas não queremos produtividade a qualquer custo. Queremos saúde para as pessoas, plantas, animais e para o planeta.

O preço de um alimento mais “barato” está sendo pago pelo esgotamento dos recursos naturais (solo, ar, água, fauna e flora) e também pela saúde das pessoas que os consomem, que adoecem cada vez mais. Fusões de empresas como Bayer (gigante do setor farmaceutico) e Monsanto (gigante do setor agronegócio) demonstram claramente o interesse em lucrar com a saúde das pessoas, produzindo alimentos que não proporcionam saúde e remédios para manutenção de doenças.

Quanto você acha que o produtor do pé de alface, vendido por pouco mais de R$1,00 nos grandes supermercados, recebe financeiramente pelo trabalho e tempo investidos no cultivo? O valor é irrisório e faz com que a escassez aumente ainda mais, desencadeando uma série de desequilíbrios sociais e ambientais. O produtor usa ainda mais agrotóxicos para “render mais” com a sua produção e assim poder “receber mais” e o consumidor, em busca de economia, continua alimentando a estrutura das grandes marcas de mercados, que por sua vez pressiona o produtor e assim sucessivamente.

É preciso uma mudança de paradigmas e para isso as pessoas precisam de informação, educação, conhecer seus direitos e se apoderarem do poder de escolha, direcionando seus recursos para consumir e incentivar iniciativas que vão a favor da preservação da vida, da natureza e da saúde. O consumidor tem o poder de escolha, que esta seja consciente!

O valor que o cultivo orgânico gera para o planeta, para os ecossistemas, para preservação e manutenção da natureza e dos recursos naturais (terra, ar, água, fauna e flora) são incalculáveis financeiramente. Não há preço que pague a perpetuação da vida e das espécies! Não há preço que pague a riqueza da biodiversidade! A moeda de troca é valor!

Sem natureza, não há vida… sem biodiversidade, não há natureza!

 

Fontes:

Orgânicos São Mais Caros?


https://organis.org.br/por-que-os-produtos-organicos-sao-mais-caros/

Compartilhe esse artigo





Endereço

Rua Santa Cruz, 557 - Bairro Alto - Piracicaba

Telefone

(19) 2532-0828

(19) 3432-7703

(19) 99670-7703

Email

contato@ranchoorganico.com.br